LIVRO "Aliviando a Bagagem"

Achei irresistível partilhar  uma "pedra preciosa" do livro que li já 2 vezes Aliviando a bagagem, de Max Lucado.

No capítulo 3 "Vou fazer do meu jeito - O Fardo da Autoconfiança", Lucado reescreve o Salmo 23... como todos nós reescrevemos cada vez que tentamos ser os nossos próprios "pastores" (adaptação para português europeu é minha):

Eu sou o meu próprio pastor; estou sempre em necessidade.
Eu cambaleio de shopping em shopping, de psiquiatra em psiquiatra, em busca de alívio, mas nunca o encontro.
Eu arrasto-me pelo vale da sombra da morte e caio em pedaços.
Eu temo qualquer coisa, desde pesticidas a fio eléctrico, e estou começando a agir como a minha mãe.
Vou às reuniões semanais do grupo e acho-me cercado de inimigos.
Vou para casa, e até o meu peixe-dourado me faz cara feia.
Unjo a minha cabeça com uma dose extra de Tilenol.
O aquário do meu peixinho transborda.
Certamente que a miséria e o infurtúnio me seguirão, e eu viverei em autodesconfiança pelo resto da minha vida solitária.


A pergunta do autor fica: "Porque será que aquele que mais precisa de um pastor, mais lhe resiste?"

Tópico: LIVRO "Aliviando a Bagagem" - opinião

Não foram encontrados comentários.

Novo comentário