Uma nova natureza, uma nova prioridade (Buscai-me e vivei - 3)

29-09-2012 17:42

 

Não basta começar bem. É preciso continuar no bom caminho. Quando iniciamos uma tarefa, um prato, um curso, um casamento, precisamos não apenas dar o primeira passo com as boas intenções, mas prosseguir na concretização daquilo que decidimos fazer.

O mesmo acontece com o nosso relacionamento com Deus. Não basta buscar a Deus para nos salvar de nós mesmo, de trazer satisfação verdadeira. Precisamos buscar a Deus porque a nossa nova natureza necessita, desesperadamente, da Sua presença.

“Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima e não nas que são da terra.” (Colossenses 3:1e2, ARC)

Quando Paulo escreve a carta aos crentes em Colossos, não está a dizer-lhes “isolem-se das pessoas.” O contexto não fala de alienação, de isolamento, mas de prioridade e dedicação às coisas de Deus.

A nossa salvação e transformação não é apenas uma mudança de condição, mas de estilo de vida. Viver para Deus, implica desejar com todo o coração estar perto d’Ele. Da mesma forma que precisamos de alimentar o nosso corpo todos os dias, precisamos buscar a Palavra de Deus e a Sua presença dia a dia. Não é uma questão de “obrigação religiosa”, mas uma necessidade de sobrevivência, de vivência com o Pai.

Ao morrermos para o nosso eu, para os valores do mundo, voltamos a viver para um estilo de vida diferente, que só conseguimos ter se buscarmos as coisas “de cima” em prioridade. Temos as nossas responsabilidades (casamento, família, trabalho, serviço, etc.) que têm que ser vividas de acordo com a nossa principal prioridade: DEUS

Não nos espanta, ao ler os primeiros capítulos de Atos, o modo como a igreja crescia. Eles davam prioridade ao prioritário, de forma contínua “E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações.” (Atos 2:42, AA).

Não nos esqueçamos de viver apaixonadamente para Cristo, do mesmo modo que Ele se deu apaixonadamente por nós... antes que nós sequer pensássemos nisso