Entre aspas

18-12-2010 23:54

Citamos o que derramam os outros, no seu dedilhar, no exposto pensamento sólido ou misturado, nas mais variadas formas de representação daquilo que “achismos” mais ou menos fundamentados exprimem... fazemo-lo entre aspas.

E reproduzimos o que outros mastigaram, digeriram e nos devolveram, sempre colocando a citação da fonte, a origem da consulta, o vínculo do autor ou dos autores... sempre entre aspas.

Quando a busca do que outras mentes, menos ou mais brilhantes, apontaram com táctica, sonhos, realização, credos e vidas nos embrenha nas letras, nos pontos e vírgulas, ao juntar as ideias, pela honestidade cientifica, escrevemos frases, parágrafos... citações entre aspas.

As aspas arrumam os outros e livram-nos da responsabilidade. Foram eles que falaram. Foram eles que pensaram. Foram eles que fizeram. Nós ficamos de lado. Nada a declarar.. está tudo entre aspas e nós ficamos de fora.

Mas não quero que essa seja a minha situação. Não quero falar Contigo pelos verbos dos outros, as rimas de terceiros, os chavões empoeirados que não me pertencem.

Quero dizer-Te aquilo que brota de forma livre e desvinculada, sem o arame farpado do formalismo, sem um austero espiritualizar daquilo que já não Te diz nada porque é frio, impessoal, copiado... porque é dito e feito entre aspas.

Seja no clamor do amargo que pode preencher o meu coração, na celebração espontânea por seres quem és, no tremer diante da Tua santidade e saber que me amas impossivelmente. Seja no alto do sucesso que passa mas que devo a Ti, na cave da minha miséria por escolhas destituídas da Tua ajuda, na morna mesmice do dia a dia... que possa expressar-Te a gratidão, o choro, o arrependimento, a alegria, a insatisfação, o lamento, a exuberante exaltação, sem aspas, mas com reticências... inacabado e sempre em aberto.

Para Ti, que conheces o meu coração, as aspas são as máscaras que ocultam o que realmente sinto e penso. Obrigada porque me ouves quando uso aspas por conveniência e esperas que as deixe cair, as apague, as extinga até ter coragem para Te contar o que já sabes mas que anseias escutar desta peça de barro a quem deste vida e chamas filha.

Obrigada, Pai.

<span style="font-size:10.0pt;font-family:" trebuchet="" ms";times="" new="" roman";"="">ADORO [ser Tua filha] DEUS.... sem aspas.

Ana Ramalho