Celebração informal

21-12-2009 16:37

Pai,

Hoje poderia formalizar o que vai no meu coração com uma canção revisitada, um poema de outro, a frase feita de um livro qualquer. Mas quero deitar cá para fora o grito de alegria e gratidão que guardo, pela Tua graça sobre a minha vida.

Não quero dar nome ou norma à expressão, não quero entrar numa solenidade despida de amor. Quero exaltar-Te, sem estar presa a escrúpulos prisioneiros da tradição, da pressão do meu grupo, do meu passado, do meu “eu”.

Quero rasgar o coração que Tu conheces, em total manifestação de alegria por tudo o que és.

Quero quebrar o vaso do mais preciso que tenho para te dar, de novo: a minha vida.

Não preciso de motivos calendarizados. Tu és o motivo eterno e presente que me faz prestar uma homenagem sincera, singela, pessoal e única.

Não sei descrever o Teu amor por mim. Não consigo ser grata o suficiente. Não tenho capacidade para imitar os anjos na sua adoração... mas mesmo assim, sei que quando te adoro numa celebração dependente, Tu me aceitas. 

Mesmo sabendo que não Te vou espantar com nenhuma das minhas canções silenciosas que brotam no coração de uma filha perdoada. Mesmo tendo a perfeita consciência que nas minhas palavras não sou capaz de expressar-Te na perfeição. Mesmo assim, sei que Tu me aceitas.

Estou grata.

Adoro ser Tua filha, Deus!

 

Ana Ramalho

 

Tópico: Celebração informal - opinião

Não foram encontrados comentários.

Novo comentário